domingo, maio 9

Sentidos - parte II - Postagem Temática

As mãos dela estavam geladas a ponto de arrepiar o corpo inteiro; a escaldante pele dele não era o suficiente para aquecê-la e fazê-la querer aquilo também. Ela não queria mesmo.

Tentou enganar o pobre coitado com as artimanhas de sempre: deixou que pegasse seus cabelos e tonteasse com seu perfume para então apertá-lo contra o peito só para sentir o coração dele disparando, enlouquecido, e depois olhá-lo firmemente nos olhos e, sem oferecer resistência, deixar que ele a pegasse no colo e a levasse dali. Mais uma vez, seria dele por uma noite inteira, na qual nem mesmo os cobertores poderiam aquecer o coração congelado que bombeava sangue frio por suas veias; coração este que nunca derretera por ele.

Há um ano desistira de forçar o processo de degelo; há dois contentava-se com o esforço dele em ser o que ela precisava. Naquele exato momento tornava-se sua futura esposa.
Desistira de encontrar sua praia ensolarada nos braços de algum qualquer. Viveria em constante inverno.

____________________________________________

Este post participa do projeto Postagem Temática. Para saber o que mais foi postado com o tema desta edição, FRIO, acessa o Blogsintonizados; lá tu também descobres o que é o projeto e como tu podes participar.
Minha sugestão de tema para a próxima edição é PRESENTE, sugestão esta que foi dada por mim na primeira edição do Postagem Temática, ao fim do post A minha máscara.

4 pessoa(s) disse(ram) que:

Leila Ghiorzi disse...

putz, essa foi forte!
PERFEITO

Vinicius disse...

putz, essa foi forte!
PERFEITO (2)

Pri Sganzerla disse...

Taí algo perfeitamente possível de acontecer! Aliás, te digo: acontece com mais frequência do que pensamos. rs

Ótima forma de usar o tema! ;-)

beijos!

Julianne disse...

Verdadeiro... Por que será que as pessoam fazem isso? Carência? Para experimentar um sentimento de dominação sobre o outro? Ou ela nunca sentiu o sangue quente correr nas veias, de verdade?

Muito bom o teu texto! No meu, também fiz referência à frieza de sentimentos.

Beijos!